NOSSA HISTÓRIA

O SONHO

O primeiro homem que tentou levantar um trabalho Metodista em Foz do Iguaçu foi o pastor Acidy Martins de Castro, que pastoreava o Campo Missionário Regional da Igreja Metodista em Cascavel.
Em 1982, por decisão do Conselho Regional, o sonho ganhava forças quando foi aprovado o envio de um missionário para Foz do Iguaçu, a fim de implantar o Projeto Missionário Regional definitivo da Sexta Região Eclesiástica (Paraná / Sta. Catarina).

PRIMEIRO CONTATO

- No final de dezembro de 1982, o Bispo Richard revelava para o pastor Sidnei que ele estava entre os três nomes cogitados para o projeto em Foz do Iguaçu, já que três meses antes o próprio pastor colocou seu nome à disposição para uma nova nomeação.
Suas orações foram confirmadas em janeiro de 1983, quando foi nomeado para implantar e assumir o Campo Missionário em Foz do Iguaçu.
Acompanhado pelo também pastor Jaci Firmino, superintendente do Distrito Sudoeste (residente na cidade de Cascavel), o pastor Sidnei chegou à fronteira para procurar uma casa para morar com sua família: a esposa Aleolinda e os filhos Leandro, de 10 anos, e Rafael, de apenas três meses.
A casa não serviria somente de moradia, mas também para a realização dos primeiros cultos.

PRIMEIROS PASSOS

- O pastor Sidnei estava animado e fez os primeiros contatos com famílias metodistas que estavam na cidade, como a família do irmão Agostinho Lourenço Corrêa.
Os dois pastores foram recebidos com carinho e saborearam um almoço especial preparado pela irmã Ana, esposa do Agostinho naquela época.
O projeto ainda teve grande apoio dos irmãos Camilo: Ivonete, Antônio Carlos e Paulo, que colaboraram com a hospedagem dos homens de Deus, servindo de apoio para os primeiros passos.

OS PRIMEIROS PROVIMENTOS

- O dia da chegada do pastor e sua família a Foz (11 de fevereiro de 1983, às 13h00), foi marcado por um forte calor de 49º C, o que era raro para família.
O caminhão da mudança já estava à espera. A primeira sensação que sentiu ao entrar na casa com a família foi uma sensação de preocupação diante de tão grande compromisso, gerando um certo medo e solidão. Convidou a esposa (Aleolinda), e ali, na cozinha vazia, junto com os filhos, se ajoelharam e oraram para que fossem persistentes e esperassem com paciência a promessa do Senhor.
Deus mais uma vez consolou os seus corações.

OS PRIMEIROS CULTOS

- Foi no dia 27 de fevereiro daquele ano que aconteceu o primeiro culto do Campo Missionário em Foz do Iguaçu. Não foi um culto oficial, mas foi um momento único que ficará nas lembranças dos primeiros irmãos que estiveram presentes.
A primeira Escola Dominical foi feita quase um mês depois, no dia 20 de março, com a participação de 19 pessoas. O trabalho na cidade começou a ganhar força quando o pastor evangelista, Remo Prodóskimis, que anos atrás atendia o Campo Missionário em São Miguel do Iguaçu, entregou ao pastor Sidnei uma lista de vinte famílias que residiam na cidade, e que haviam participado dos cultos. Alguns contatos foram feitos, porém, apenas duas famílias da lista foram encontradas, resultando a integração destes no trabalho.
No entanto, o pastor Sidnei não desistiu e começou a fazer contatos e procurar os metodistas espalhados pela cidade.

INAUGURAÇÃO OFICIAL

- O culto de inauguração foi realizado na Páscoa, dia 3 de abril de 1983. Estiveram presentes o bispo Richard Santos Canfield e sua esposa Benilda; o Secretário Regional de Missões, pastor Rosalino Domingos e sua esposa Nilza; o secretário Executivo de Missões, Norival Trindade e sua esposa Rute, e mais 35 irmãos que já congregavam no Campo Missionário, além da família do pastor Sidnei.

A CONSTRUÇÃO DO TEMPLO DEFINITIVO

- Em 1987, iniciou-se a fase da construção do templo definitivo, que seria mais um grande desafio. A ação de Deus começou quando a Usina Hidrelétrica de Itaipu doou toda a areia e brita para as fundações. A igreja também contou com o arquiteto Bento Cordeiro, da Igreja Missionária de Londrina, que ofertou à igreja todos os seus honorários. A “Bate-estaca”, proveniente de Londrina para fazer as fundações, ficou trinta dias em Foz, com cinco funcionários.
Mas ao fim de seus, trabalhos, o seu proprietário ofertou os seus serviços à igreja. Como fruto desse trabalho, a igreja local conseguiu implantar uma outras duas igrejas autônomas, com pastores em tempo integral no bairro Portal da Foz.
Esta é a Obra de um Deus vivo que espera de seus filhos a continuidade da fidelidade, do amor, da fé, da comunhão, da alegria do Espírito, da unção, da santidade, da coragem, da esperança e de um povo que sonha os sonhos de Deus.

“Tomemos novo fôlego e sigamos nesse Projeto. Agora, é mais que o sonho de um pastor e sua família, tornou-se o sonho de um povo que hoje congrega aqui, fruto da persistência, perseverança, fidelidade e amor. São os sonhos de Deus nos nossos corações”,

Concluiu pastor Sidnei, que pastoreou este povo na cidade, na igreja central, até o ano de 2011.